quinta-feira, 31 de julho de 2014

.





desabroche
as casas vestidas
de dedos que abrem
flores vazias
das coisas que amei

.

Um comentário:

  1. desabroche
    o que ainda vou amar
    e nem sei o
    que virá sem
    sentido.

    ResponderExcluir