domingo, 14 de maio de 2017

.


durmo sempre com a boca virada pro orvalho
e desperto bebida de terra.
hoje é de lembrar os órgãos ocos
de meninos que não podem crescer
debaixo de laranjeiras,
e de cada baga por dentro
imagino o azedo doce gelatinoso desse corpo.
daqui, nos limeiros crescem frutos fortes,
que secam ainda grudados nos galhos.
o despertar de um hoje que não dormiu
foi pra lembrar do que tem debaixo
de cada pedra de um império




é do medo de esquecer seu rosto
que a poeira que cobre meu corpo
se espalha pelas paredes
em casas de areia e veias abertas de sal
e apesar do céu
o que vi diante do meu inteiro ser
ainda não pude dizer o nome





ainda repito as palavras
da boca faminta,
seu nome não posso dizer
o silêncio azul transparente olhos de prata tão inventados quanto o respiro do oceano
o rio que me atravessa é o outro, a qual se uniu
em margem dolorida, ponte,
bússola
te chamo em naufrágio

Nenhum comentário:

Postar um comentário